10 Museus em Belo Horizonte que você precisa conhecer

Opções para quem quer conhecer a história de Belo Horizonte, para os apaixonados por fotografia e para quem curte arte moderna.

10 – CCBB

CCBB – O Centro Cultural Banco do Brasil

O Centro Cultural Banco do Brasil faz parte do Circuito Liberdade e fica na praça de mesmo nome, um dos cartões-postais da cidade.

A exposição que está em cartaz é “Man Ray em Paris”. A mostra reúne a obra de um dos maiores artistas visuais do início do século XX e expoente do movimento surrealista.

A entrada é gratuita.

Quarta à segunda: das 10h às 22h.

Praça da Liberdade, nº 450.

9 – Memorial Minas Gerais Vale

Memorial Minas Gerais Vale

Também integrante do Circuito Liberdade, o museu reúne tradições de Minas Gerais, a partir da sua história, música e literatura.

Há salões que contam desde a Inconfidência Mineira, passando pela obra de Guimarães Rosa e chegando até os costumes do interior.

A entrada é gratuita.

Terças, quartas, sextas-feiras e sábados: das 10h às 17h30, com permanência até 18h.

Quintas: das 10h às 21h30, com permanência até 22h.

Domingos: das 10h às 15h30, com permanência até 16h.

Praça da Liberdade, nº 640.

8 – Museu das Minas e do Metal

Museu das Minas e do Metal

O museu abriga um grande acervo sobre mineração e metalurgia, duas das principais atividades econômicas do estado. Ele é apresentado por Dom Pedro II, pela Imperatriz Teresa Cristina e por Chica da Silva.

A entrada é gratuita.

Terça à domingo: das 12h às 18h.

Quinta-feira: das 12h às 22h.

Praça da Liberdade, s/nº.

7 – Museu de Artes e Ofícios

Museu de Artes e Ofícios

O Museu de Artes e Ofícios, localizado na Praça da Estação, bem no centro de Belo Horizonte, também tem entrada franca.

Ele reúne mais de duas mil peças dos séculos XXVIII ao XX que contam a história do trabalho no Brasil. Antigos ofícios como caixeiros, condutores de carruagens e boticários são alguns dos exemplos encontrados lá.

Segunda-feira e domingo: Fechado.

Terça-feira: Somente com agendamento.

Quarta, quinta e sexta-feira: 11h às 17h.

Sábado e feriados: 9h às 17h.

Praça Rui Barbosa, nº 600 (Praça da Estação).

6 – Museu Abílio Barreto

Museu Abílio Barreto

Inaugurado em 1943, o Museu Histórico Abílio Barreto é dedicado à história de Belo Horizonte. Um dos prédios do conjunto é um casarão centenário onde funcionava a sede da antiga Fazenda do Leitão, construída em 1883.

A história da fundação da cidade, planejada e criada para ser a capital de Minas Gerais, é contada através de documentos, de fotografias e dos acervos de grande porte, como o bonde elétrico, a locomotiva a vapor, o coche e o carro de boi.

A entrada também é gratuita.

Exposições: terça, sexta, sábado e domingo, das 10h às 17h; quartas e quintas, das 10h às 18h30.

Área Externa: terça, sexta, sábado e domingo, das 7h às 18h; quartas e quintas, das 7h às 18h30.

Avenida Prudente de Morais, nº 202, Cidade Jardim.

5 – Galerias do Palácio das Artes

Galerias do Palácio das Artes

O Palácio das Artes recebe várias exposições simultâneas. Todas elas com entrada gratuita. No momento, o destaque fica por conta da mostra “Chichico Alkmin” que reúne um conjunto de 251 fotografias feitas pelo artista de Diamantina.

Há também a quinta edição do “ARTEMINAS Narrativas Femininas – Sou aquilo que não foi ainda”. Ela reúne trabalhos de mulheres que usam a pintura, a escultura, o desenho e o bordado como forma de expressão.

Tudo isso sem gastar um tostão.

Terça-feira a sábado: 9h30 às 21h

Domingos: 17h às 21h.

Avenida Afonso Pena, n° 1537. Centro.

4 – Câmera Sete/Casa da Fotografia de Minas Gerais

Câmera Sete/Casa da Fotografia de Minas Gerais

Bem pertinho da Praça Sete, a galeria dedicada à fotografia também tem entrada franca. Está em cartaz a exposição “Vento Sul”.

Ela reúne obras de profissionais de Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre.

Segunda a sábado: 10h às 21h.

Domingo: 17h às 20h.

Avenida Afonso Pena, nº 737. Centro.

3 – Museu da Moda (MUMO)

Ainda no centro, desta vez na Rua da Bahia, a dica é conhecer o Museu da Moda. A exposição que está em cartaz é “Alceu Penna – Inventando a Moda do Brasil”. O mineiro de Curvelo foi um dos precursores do jornalismo de moda no Brasil. Ele também atuou como figurinista e cenógrafo.

O MUMO é o primeiro museu público dedicado à moda do país. E também é de graça.

De terça a sexta-feira: das 9h às 21h.

Sábados e domingos: das 10h às 14h.

Rua da Bahia, nº 1149 . Centro.

2 – Espaço do Conhecimento UFMG

Espaço do Conhecimento UFMG

O Espaço do Conhecimento UFMG também está na nossa lista. Ele é um espaço que reúne cultura, ciência e arte. Desde sua inauguração, em 2010, ele já recebeu mais de 350 mil visitantes.

A entrada para as exposições é gratuita. Mas se você quiser conferir o Planetário, uma das atrações mais procuradas do espaço, o ingresso custa R$ 6.

O público pode desvendar os segredos do espaço em uma sala com um domo de nove metros de diâmetro. Ele tem capacidade para 65 pessoas e funciona em sessões regulares ao longo de todo o dia.

Praça da Liberdade, nº700.

Terça a sexta: 10h às 17h.

Sábado: 10h às 21h.

Domingo: 10 às 17h.

1 – Museu de História Natural

Museu de História Natural da PUCMinas

Dinossauros e preguiças gigantes podem ser visitados no Museu de História Natural da PUCMinas, no bairro Coração Eucarístico.

O acervo é um verdadeiro passeio pela história do planeta e pelo passado de Minas Gerais. Há milhares de exemplares de répteis, anfíbios, aves, plantas e mamíferos.

Os ingressos custam R$10.

Serviço

Avenida Dom José Gaspar, nº 290, bairro Coração Eucarístico.

Terça-feira a sábado: das 9h às 17 horas.

A capital dos bares tem mais de 70 museus com opções para todos os gostos.

Sobre o Autor

Rafael Freitas
Rafael Freitas
Brasileiro, Belo Horizonte/MG, Formado em Processos Gerencias, Empreendedor, Guia especializado em atrativos naturais, Analista de viagens, Consultor de Viagens, Gestor de Turismo, Sócio Proprietário na empresa Pegada Ecoturismo, Palestrante. Com varias vivencias no ecoturismo e turismo de aventura, decidiu que viveria sua vida respirando e sonhando aventuras. Transformou o hobby e a paixão por viajar em profissão, com propósito de incentivar pessoas a saírem da rotina, conhecer novas pessoas, novos lugares, novas culturas, desafiar a si mesmo através deste esporte encantador e apaixonante. Acredita que não existe limites para conhecer novos lugares e novas conquistas. Viajar é explorar o novo, de forma simples. Acredita que não existe limites para conhecer novos lugares e novas conquistas. Viajar é explorar o novo, de forma simples.