O Brasil é um país conhecido pelas suas belezas naturais, os rios e cachoeiras são uma atração à parte, mas o aumento do fluxo de pessoas por estes circuitos turísticos também acende um alerta para o risco de acidentes. Para aproveitar ao máximo o passeio, a Pegada Ecoturismo dá dicas que podem ajudar a fugir do perigo.

1 – Chinelos de dedo

É como dizem: “Quem nunca entrou com o chinelo de dedo dentro de uma cachoeira, e a correnteza levou um dos seus chinelos, não sabe o que é ficar chateado. ”
A questão é que entrar ou andar próximo à cachoeiras com os chinelos de dedo vai além de simplesmente perder o chinelo, eles escorregam nas pedras pois não dão firmeza nenhuma aos pés, assim como na pedra e podem aprontar um tombo de uma hora para outra sem contar que agarram na lama, o que pode facilitar uma queda. Prefira uma sapatilha emborrachada (para rios e cachoeiras) que são calçados com solado próprio para água ou calçados que firmem bem nos seus pés e oferecem atrito.

2 – Brincadeiras na Cachoeira

Não participe ou promova brincadeiras de empurrar ou dar tombo em colegas, com esse tipo de brincadeira você corre o risco real de colocar a sua vida e a vida de alguém em risco. Em uma dessas brincadeiras o colega pode cair de mau jeito e é problema na certa. Faça brincadeiras saudáveis e divirta-se com responsabilidade, sempre respeitando o outro.

3 – Consumo de bebidas alcoólicas ou entorpecentes

Quando estamos nas cachoeiras e até mesmo em uma trilha você precisa estar no melhor do seu juízo para tomar decisões acertadas, medir seus passos com precisão e controlar bem seu corpo. O álcool compromete a razão é a percepção de perigo. Faz-se coisas das quais não é possível lembrar depois. E várias delas causam constrangimento, vergonha ou, o que é pior, podem ser fatais. Portando bebidas só depois do passeio!

4 – Cachoeira em dias de chuva

As águas podem vir mais fortes em dias chuvosos e deixar as cascatas mais pesadas e as pedras mais lisas do que o habitual, sem contar que a visibilidade da água diminui e existe risco de troncos e pedras soltas no fundo e cipó. Cuidado com a famosa “cabeça d’água”, conhecida popularmente como tromba d’água, mesmo com dia lindo elas podem chegar ao local onde você está, vindas de outras regiões onde caiu chuva pesada. Evite cachoeiras em dias de chuva.
Escrevemos um artigo completo sobre o assunto, não deixe de conferir no link: Em época de chuvas, trilhas e cachoeiras são mais perigosas.

5 – Sinalização do local

Locais mais perigosos costumam ter sinais de alerta. Para ter um passeio com segurança é importante que todos respeitem a sinalização e evitem o banho nestes lugares, elas não estão lá por acaso. Fique atento!

6 – Mergulho

Na hora do mergulho, é importante ir com cautela e observar a profundidade desses ambientes naturais. Cachoeiras costumam ter obstáculos mais discretos e que muitas vezes não são vistos. Mesmo que conheça o local há anos, as águas se movimentam com frequência, trocando pedras de lugar, abrindo buracos em pontos que não existiam, além de trazer outros entulhos desconhecidos para a água, causando não só afogamentos, como acidentes graves. Entre na água com cautela.

7 – Crianças na Cachoeira

Se vai com a família, deixe as crianças na supervisão de um adulto. Elas são aventureiras, curiosas e gostam de explorar o novo, sem entender o real perigo que esses ambientes representam. Não tire os olhos delas.

8 – Obstáculos naturais

Nas áreas mais difíceis de atravessar, não arrisque pulos e se possível, caminhe usando as mãos também. São diversos obstáculos que podem causar tropeços e tombos e nos piores casos, machucados. Rochas e raízes são arrastadas pelas correntes e ficam no fundo do rio, podendo atrapalhar o trajeto dos mais desatentos. A dica é antes de dar um passo, teste se está seguro antes de colocar seu peso todo sobre o apoio, seja uma pedra, um tronco ou um galho.

9 – Temperatura da água

Quando ela for gelada demais, opte por entrar aos poucos, pois a diferença de temperatura entre a água e o seu corpo pode provocar câimbras em seus músculos. Se o local em que o banhista estiver for profundo, isso pode aumentar o risco de afogamento.

10 – Guia e informações sobre a região

A visita à uma cachoeira deve ser precedida por uma profunda pesquisa sobre a região. É ela que vai permitir que você avalie se o local é adequado para passeio e fique atento aos perigos encontrados lá e ao longo do caminho.
Uma dica importante para esse momento é ir sempre acompanhado de alguém que conheça o caminho, um guia ou em segundo caso conversar com outras pessoas que já estiveram na cachoeira, para saber que tipo de experiência elas tiveram no lugar e, assim, poder se preparar melhor.

Cuide de sua segurança, respeite as pessoas, preserve a natureza acima de tudo. Leve sacolas plásticas para colocar o lixo e retorne com elas, não suje o local e respeite o meio ambiente, afinal, é essencial.

Gostou das nossas dicas para aproveitar o passeio na cachoeira? Então não deixe de compartilhar com seus amigos, informação é fundamental.

Visitar uma cachoeira é algo renovador. As águas correntes parecem sempre renovar a alma daqueles que se colocam debaixo das quedas d’água. Curtir esse presente da natureza é algo maravilhoso não é mesmo?

A temporada de chuva vem se aproximando e muitos são os cuidados que devemos tomar próximos à rios e cachoeiras, por conta da famosa “cabeça d’água, conhecida popularmente como tromba d’água. Mas não é somente em épocas de chuvas que devemos tomar todo cuidado possível. O cuidado deve ser redobrado sobretudo durante período de chuvas.

Cachoeiras e rios podem ser tremendamente cruéis se você não observar alguns cuidados básicos. É preciso muito cuidado e atenção na hora de se aventurar por quedas d’água por aí. Infelizmente tem muitos se aventurando sem nenhum conhecimento do local ou da região que escolheu para levar os amigos e familiares.

Ao programar uma trilha, é necessário verificar a previsão do tempo para o dia. O mais aconselhável é evitar a visita quando houver ameaça de chuva. Além disso, as chuvas nas cabeceiras podem elevar rapidamente o nível da água do leito dos rios e com isso, provocar o fenômeno conhecido como tromba d’água. Caso a trilha já tenha começado quando o temporal desabar, a recomendação é retornar ao local de origem. Se houver cachoeira, o ideal é procurar um ponto alto, distante do curso d’água.

Mesmo que você conheça bem o local, verifique a profundidade antes de mergulhar. As águas se movimentam o tempo todo e, com elas, as pedras, os troncos de árvores no fundo.

Muito cuidado com as pedras. O fato de elas estarem secas não quer dizer que não estão escorregadias. Por onde passa a água deixa limo e, mesmo que imperceptível algumas vezes, ele está lá e é perigoso. O risco de levar um escorregão nesses locais é muito grande. Fique de olho especialmente nas pedras que possuem uma “sujeira” marrom, escorregam feito sabão!

Cuidado na hora de pisar em pedras. Um escorregão e seu passeio pode acabar ali. Então não abuse.

Se vai com família, nunca deixe as crianças sozinhas. Elas geralmente são aventureiras, curiosas e não têm dimensão dos perigos. Não tire os olhos delas.

Também é fundamental avisar aos familiares ao ir a uma trilha ou cachoeira e informar a previsão de retorno.

Cuidado com os chinelos de dedo (aquelas sandálias, tipo havaianas). Eles são um perigo, escorregam nas pedras, pois não dão firmeza nenhuma aos pés. Usem calçados apropriados, com solado próprio para água, calçados que firmem bem nos seus pés.

Nas áreas mais difíceis de atravessar, não arrisque pulos e se possível, caminhe usando as mãos também. Em alguns momentos, andar de quatro garante a passagem segura. Antes de dar um passo, teste se está seguro antes de colocar seu peso todo sobre o apoio – seja uma pedra, um tronco, um galho. Pedras perto de cachoeiras e rios são escorregadias como sabão. Cuidado!

Jamais atravesse uma corredeira. Ela pode parecer fraquinha, mas a água tem muita força sempre e as pedras submersas são extremamente escorregadias. Sem equilíbrio você não tem chance alguma.

Locais mais perigosos costumam ter sinais de alerta. Para ter um passeio com segurança é importante que todos respeitem a sinalização e evitem o banho nestes lugares, como saltos e mergulhos.

Não use bebida alcoólica ou qualquer outra substância entorpecente. Você precisa estar no melhor do seu juízo para tomar decisões acertadas, medir seus passos com precisão e controlar bem seu corpo.

Não participe ou promova brincadeiras de empurrar ou dar tombo em colegas. Deixe as brincadeiras pra outra hora em que você não coloque em risco a vida de ninguém e a sua.

Contrate um guia:

Escolha ir sempre acompanhado de alguém que conheça o caminho e tenha experiência ou contrate um guia. Respeite e siga sempre as orientações do condutor. Ele está ali para assistir, orientar e conduzir as pessoas ou grupos durante os passeios. Contratar um guia de turismo capacitado pode ser o elemento mágico para tornar sua viagem ainda melhor. Algumas pessoas acham que o guia simplesmente apresenta o lugar e roteiros. Mas, no fundo, ele faz muito mais do que isso, ele conhece bem a região e os atrativos, vai poder te passar informações de onde oferece segurança para entrar ou não, aquela sugestão que você não sabia ou não havia dado importância, mas que vale a pena e pode deixar seu passeio ainda melhor. Esses são alguns de muitos motivos para contratar um guia. E lembre-se: O principal responsável pela sua segurança é você mesmo.

Divirta-se com responsabilidade. Cuide de sua segurança e respeite a natureza e as pessoas.

Preserve a natureza acima de tudo. Levar sacolas plásticas para colocar o lixo, retornando com elas e respeitar o meio ambiente é essencial.