O chamado ecoturismo é um seguimento de atividade que, em primeiro lugar, promove o reencontro do homem com a natureza de forma a compreender os ecossistemas que mantêm a vida. As atividades são desenvolvidas através da observação do ambiente natural, através da transmissão de informações e conceitos ou através da simples contemplação da paisagem.

No turista, este processo auxilia no desenvolvimento da consciência da própria existência em equilíbrio na natureza, visando ainda a manutenção da qualidade de vida das gerações atuais e futuras. Este aprendizado permite que o turista tenha a possibilidade de transformar e renovar seu comportamento cotidiano. A realidade urbana com a qual o turista convive rotineiramente, passa a ser questionada gerando reflexões sobre poluição destes grandes centros, manutenção de áreas verdes, destinação e reciclagem de lixo e qualidade de vida. Objetiva-se, assim, a incorporação e tradução destas reflexões na forma de comportamento e posturas no seu ambiente de origem.

Neste crescimento do setor de turismo ecológico há cada vez mais pessoas iniciando em atividades ao ar livre, buscando por uma melhor qualidade de vida e bem-estar, o que aumenta a responsabilidade das empresas que estão no mercado, por conta do tipo de introdução que a empresa faz deste novo aventureiro ao ambiente natural.

Entendemos que esta introdução não é simplesmente levar o turista para fazer uma trilha pela primeira vez na vida, é preciso informar antes e conscientizar durante a atividade, para que depois da mesma, reflita em uma nova educação, de respeito para com o ambiente natural, todos os seres vivos encontrados pelo caminho e à sua própria vida.

Por isso que a Pegada Ecoturismo existe. Para proporcionar experiências incríveis junto à natureza e ORIENTAR, educar, contribuir com boas práticas, com CONSCIÊNCIA de riscos e quanto um “desafio” sem experiência pode custar caro. Ou até mesmo a VIDA! Por isso VALORIZAMOS e buscamos valorização deste mercado de ecoturismo, dos profissionais que trabalham no meio, com profissionalização e foco na SEGURANÇA. Brasileiro precisa confiar, respeitar e assim, fomentar o crescimento do segmento no país.

É preciso promover programas sérios e infra-estrutura segura e profissional, oferecendo e praticando a educação ambiental de forma multidisciplinar com guias e condutores especializados. O desenvolvimento de roteiros e programas diferenciados a vários tipos de ambientes, associadas à transmissão de informações e conceitos, levam com relativa facilidade ao aprendizado. Mas o grande legado deixado no turista é a compreensão e a consciência da importância de se preservar o ambiente natural, a história e a cultura dos lugares de visitação.

O ecoturismo no Brasil vem crescendo muito nos últimos anos.

A conscientização sobre a preservação e a necessidade do contato com a natureza tem feito muitas pessoas buscarem esses destinos no mundo todo.

Este tipo de turismo responsável tem grande importância sócio-ambiental, econômico e cultural. Desenvolver o ecoturismo de forma responsável aliada a preservação, ainda é um desafio no Brasil.

Confira abaixo algumas dicas importantes para ser um Ecoturista consciente e responsável.

Planejamento é fundamental

Entre em contato prévio com a administração da área que você vai visitar para tomar conhecimento dos regulamentos e restrições existentes.
Informe-se sobre as condições climáticas do local e consulte a previsão do tempo antes de qualquer atividade em ambientes naturais.
Viaje em grupos pequenos. Grupos menores se harmonizam melhor com a natureza e causam menos impacto.
Evite viajar para áreas mais populares durante feriados prolongados e férias.
Certifique-se de que você possui uma forma de acondicionar o seu lixo (sacos plásticos), para trazê-lo de volta.
Escolha as atividades que você vai realizar na sua visita conforme o seu condicionamento físico e seu nível de experiência.

Cuide das trilhas e dos locais de acampamento

Mantenha-se nas trilhas pré determinadas, não use atalhos que cortam caminhos. Os atalhos favorecem a erosão e a destruição das raízes e plantas inteiras.
Mantenha-se na trilha mesmo se ela estiver molhada, lamacenta ou escorregadia. A dificuldade das trilhas faz parte do desafio de vivenciar a natureza. Se você contorna a parte danificada de uma trilha, o estrago se tornará maior no futuro.
Acampando, evite áreas frágeis que levarão um longo tempo para se recuperar após o impacto. Acampe somente em locais pré-estabelecidos, quando existirem. Acampe a pelo menos 60 metros de qualquer fonte de água.
Não cave valetas ao redor das barracas, escolha o melhor local e use um plástico sob a barraca.
Bons locais de acampamento são encontrados, não construídos. Não corte nem arranque vegetação, nem remova pedras ao acampar.

Traga seu lixo de volta

Se você pode levar uma embalagem cheia para um ambiente natural, pode trazê-la vazia na volta.
Ao percorrer uma trilha, ou sair de uma área de acampamento, certifique-se de que elas permaneçam como se ninguém houvesse passado por ali. Remova todas as evidências de sua passagem. Não deixe rastros!
Não queime nem enterre o lixo. As embalagens podem não queimar completamente, e animais podem cavar até o lixo e espalhá-lo. Traga todo o seu lixo de volta com você.
Utilize as instalações sanitárias que existirem. Caso não haja instalação sanitárias (banheiros) na área, cave um buraco com quinze centímetros de profundidade a pelo menos 60 m de qualquer fonte de água, trilhas ou locais de acampamento, em local onde não seja necessário remover vegetação.

Deixe cada coisa em seu lugar

Não construa qualquer tipo de estrutura, como bancos, mesas, pontes etc. não quebre ou corte galhos de árvores, mesmo que estejam mortas ou tombadas, pois podem estar servindo de abrigo para aves ou outros animais.
Resista à tentação de levar “lembranças” para casa. Deixe pedras, artefatos, flores, conchas etc. onde você os encontrou, para que outros também possam apreciá-los.
Tire apenas fotografias, deixe apenas leves pegadas, e leve para casa apenas suas memórias.

Não faça fogueira

Fogueiras matam o solo, agridem física e visualmente os locais de acampamento e representam uma grande causa de incêndios florestais.
Para cozinhar, utilize um fogareiro próprio para acampamento. Os fogareiros modernos são leves e fáceis de usar. Cozinhar com um fogareiro é muito mais rápido e prático que acender uma fogueira.
Para iluminar o acampamento, utilize um lampião ou uma lanterna em vez de uma fogueira.
Se você realmente precisa acender uma fogueira, utilize locais previamente estabelecidos, e somente se as normas da área permitirem.
Mantenha o fogo pequeno, utilizando apenas madeira morta encontrada no chão.
Tenha absoluta certeza de que sua fogueira está completamente apagada antes de abandonar a área.

Respeite os animais e plantas

Observe os animais à distância. A proximidade pode ser interpretada como uma ameaça e provocar um ataque, mesmo de pequenos animais. Além disso, animais silvestres podem transmitir doenças graves.
Não alimente os animais. Os animais podem acabar se acostumando com comida humana e passar a invadir os acampamentos em busca de alimento, danificando barracas, mochilas e outros equipamentos.
Não retire os animais silvestres do seu habitat natural, muito menos os maltrate.
Não retire flores e plantas silvestres. Aprecie sua beleza no local, sem agredir a natureza e dando a mesma oportunidade a outros visitantes.

Seja cortês com outros visitantes

Ande e acampe em silêncio, preservando a tranqüilidade e a sensação de harmonia que a natureza favorece. Deixe rádios e instrumentos sonoros em casa.
Deixe os animais domésticos em casa. Caso traga o seu animal com você, mantenha-o controlado todo o tempo, incluindo evitar latidos ou outros ruídos. As fezes dos animais devem ser tratadas da mesma maneira que as humanas. Elas também estão sob sua responsabilidade. Muitas áreas não permitem a entrada de animais domésticos, verifique com antecedência.
Cores fortes, como branco, azul, vermelho ou amarelo, devem ser evitadas, pois podem ser vistas a quilômetros de distância e quebram a harmonia dos ambientes naturais. Use roupas e equipamentos de cores neutras, para evitar a poluição visual em locais muito freqüentados.
Colabore com a educação de outros visitantes, transmitindo os princípios de mínimo impacto sempre que houver oportunidade.

Você é responsável por sua segurança

O salvamento em ambientes naturais é caro e complexo, podendo levar dias e causar grandes danos ao ambiente. Portanto, em primeiro lugar, não se arrisque sem necessidade.
Calcule o tempo total que passará viajando e deixe um roteiro da viagem com alguém de confiança, com instruções para acionar o resgate, caso necessário.
Avise a administração da área que você está visitando sobre: sua experiência, o tamanho do grupo, o equipamento que vocês estão levando, o roteiro e data esperada de retorno. Estas informações facilitarão o seu resgate em caso de acidente.
Aprenda as técnicas básicas de segurança, como navegação (como usar um mapa e uma bússola) e primeiros socorros. Para tanto, procure clubes excursionistas, escolas de escalada, etc.
Tenha certeza de que você dispõem do equipamento apropriado para cada situação. Acidentes e agressões à natureza em grande parte são causados por improvisações e uso inadequado de equipamentos. Leve sempre: lanterna, agasalho, capa de chuva e um estojo de primeiros socorros, alimento e água, mesmo em atividades com apenas um dia ou poucas horas de duração.
Caso você não tenha experiência em atividades recreativas em ambientes naturais, entre em contato com centros excursionistas, empresas de ecoturismo ou condutores de visitantes. Visitantes inexperientes podem causar grandes impactos sem perceber e correr riscos desnecessários.

Contrate um guia

Escolha ir sempre acompanhado de alguém que conheça o caminho e tenha experiência ou contrate um guia. Respeite e siga sempre as orientações do condutor. Ele está ali para assistir, orientar e conduzir as pessoas ou grupos durante os passeios. Contratar um guia de turismo capacitado pode ser o elemento mágico para tornar sua viagem ainda melhor. Algumas pessoas acham que o guia simplesmente apresenta o lugar e roteiros. Mas, no fundo, ele faz muito mais do que isso, ele conhece bem a região e os atrativos, vai poder te passar informações de onde oferece segurança para entrar ou não, aquela sugestão que você não sabia ou não havia dado importância, mas que vale a pena e pode deixar seu passeio ainda melhor. Esses são alguns de muitos motivos para contratar um guia.

A letra da música já diz tudo: “Quem te conhece, não esquece jamais”.

Falamos tanto de viajar para outros países, não é mesmo? Às vezes esquecemos de como o Brasil tem lugares bonitos! Pois é, em todas as regiões do Brasil, temos paisagens fantásticas, e nem sempre valorizamos o potencial do turismo nacional. E quando falamos em Ecoturismo então, as opções são gigantescas!

O estado de Minas tem uma infinidade de destinos turísticos, concentra incontáveis atrativos naturais e históricos capazes de deixar qualquer viajante apaixonado.

Seja pela farta gastronomia, pelas paisagens marcantes ou pelo carinho do povo, Minas Gerais também é uma potência quando o assunto é ecoturismo e turismo de aventura. Com uma enorme extensão territorial, opções não faltam para quem quer distância dos grandes centros urbanos.

O ecoturismo é uma categoria turística com cada vez mais adeptos. É o turismo que desfruta, de maneira sustentável, das belezas naturais e culturais. Além disso ajuda a criar maior consciência ambiental, diminuindo as distâncias entre pessoas – cada vez mais urbanizadas – e as paisagens naturais.

Permita-se viver o novo!

As atividades de aventura são uma ótima maneira de conhecer melhor a si mesmo, descobrir e superar seus limites, enquanto sai da rotina e pratica esportes em contato com a natureza.

Permita-se viver o novo, o inédito, o desconhecido, o algo a mais. Na maioria das vezes, é uma ótima chance de desbravar mundos desconhecidos e obter novas e arrebatadoras experiências.

E não pense que para desbravar o novo você precisa ser um aventureiro por natureza. Na verdade, basta um pouco de coragem e determinação para conhecer novos pontos de vista de sua própria vida.

E para viver o novo não é preciso mudar de cidade, de emprego, de amigos ou de vida. Basta adotar um novo olhar em sua própria existência, uma nova ótica pairando sobre si, suas conquistas e limitações.

Sendo assim, comece por ver novas possibilidades em sua vida. Esteja aberto a vivê-las e disposto a correr os ricos que isso impõe. Em seguida, permita-se viver o inesperado e aproveitar todas as oportunidades que a vida lhe dá, pois ela é única e muito curta para ter medo de vivê-la.

Pouco mais de três anos depois do desastre de Mariana, do qual Minas Gerais ainda luta para se recuperar, mais um rompimento de barragem da mineradora Vale assombra o país.

A Pegada Ecoturismo se solidariza com a população de Brumadinho e os familiares das vítimas. A dor do nosso semelhante também nos dói. Sentimos a angústia, o medo, a revolta, a indignação e a dor da perda de todos que perderam seus entes queridos ou que ainda não sabem o que ocorreu com eles.

Impactos ambientais

O impacto ambiental causado pela enxurrada de lama após o rompimento da barragem da Vale na Mina do Córrego do Feijão, “será sentido por anos”, advertiu a ONG World Wildlife Foundation (WWF).

“Aproximadamente 125 hectares de florestas foram perdidos, o equivalente a mais de um milhão de metros quadrados, ou 125 campos de futebol”, indica o relatório divulgado quatro dias depois de que uma enxurrada de lama e rejeitos atingiu instalações da Vale, casas e veículos em Brumadinho, deixando até agora 84 mortes confirmadas, 42 corpos identificados e 276 desaparecidos, segundo o último boletim do Corpo de Bombeiros.

Em virtude da grande quantidade de rejeitos e da velocidade em que foram liberados, a lama destruiu grande parte da vegetação local e causou a morte de diversas espécies de animais. É importante salientar que a região abrigava uma grande área remanescente da Mata Atlântica, um bioma com grande biodiversidade. Houve, portanto, uma enorme perda.

Os rejeitos da mineração atingiram ainda o rio Paraopeba, que é um dos afluentes do Rio São Francisco. A grande quantidade de lama torna a água imprópria para o consumo, além de reduzir a quantidade de oxigênio disponível, o que desencadeia grande mortandade de animais e plantas aquáticas. Em relação ao Rio São Francisco, a expectativa é de que a lama seja diluída antes de atingi-lo.

Devido à grande quantidade de lama que foi depositada na região, o solo terá sua composição alterada, o que pode prejudicar o desenvolvimento de algumas espécies vegetais. Além dessa alteração, quando a lama seca forma uma camada dura e compacta que também afeta a fertilidade do solo.

Desde que começou o vazamento, a Vale advertiu que a tragédia teria um maior custo humanitário que ambiental em comparação com o provocado pelo rompimento da barragem de Fundão, no município de Mariana, em novembro de 2015, que deixou 19 mortos e chegou ao mar, a 660 km de distância, pelo leito do Rio Doce.

A WWF considera que ainda é cedo para fazer tais afirmações, dado que não se sabe quando os sedimentos mais finos se dissolverão.

Paula Hanna Valdujo, especialista em conservação da ONG, opina que “serão necessários estudos mais detalhados para entender a intensidade deste impacto e até onde se estende”.

Como o ecoturismo contribui com a preservação da natureza

O ecoturismo tem potencial de crescimento de 20% ao ano no mundo segundo a OMT(Organização Mundial de Turismo) e, se feito com consciência e responsabilidade, contribui muito para a preservação dos recursos naturais.

Em tempos de enormes tragédias ambientais como a de Mariana e Brumadinho, desmatamento, ataques à camada de ozônio e exploração de recursos naturais, dentro de uma sociedade com um sistema econômico que visa o lucro acima de qualquer outra coisa, não é novidade que a natureza tenha sofrido as consequências das mais variadas formas de exploração do meio ambiente.

Nesse cenário de destruição da natureza, o ecoturismo é o setor econômico que cada dia mais depende dos valores morais e éticos para sobreviver. A preocupação com respeito ao meio ambiente e a segurança dos turistas é fundamental para o fortalecimento da atividade.

Mais do que oferecer um contato próximo com o meio-ambiente e criar a possibilidade de se conhecer locais de preservação ambiental, o ecoturismo ajuda a preservar a natureza do local através dos recursos captados com o próprio turismo. Além disso, o ecoturismo acaba gerando melhorias para a comunidade do local já que atrai turistas, o que incentiva a economia do local e o mais importante de tudo, conscientiza sobre a importância da preservação da natureza.

A vantagem do ecoturismo é que a “exploração” do local ocorre de forma harmônica, respeitando a natureza e as formas de vida do lugar e conscientizando os turistas da importância de se conviver com a natureza de forma respeitosa, sem retirar recursos desnecessários, poluir ou estragar o local. É um modo de desenvolvimento sustentável que busca aumentar o contato do turista com a natureza e ao mesmo tempo conscientizar da importância de preservar aquele local para que ele continue existindo.

O meio ambiente depende de nós e o ecoturismo precisa escrever uma história coerente, na qual a cultura local deve ser valorizada e respeitada. É preciso disseminar os conceitos de turismo responsável, sustentável, ecológico ou como queira chamar, antes que acabe com este potencial existente e não reste mais nada pelo que lutar e preservar.

Nos últimos anos o ecoturismo tem crescido a taxas entre 15% e 20% no Brasil, segundo o Sebrae, muito acima do que outros segmentos do turismo, e mais ainda do que outros setores da economia. Isso foi afetado por uma série de motivos, mas sem dúvida, os principais foram a crescente busca por melhor qualidade de vida, além, claro, das redes sociais.

Neste crescimento do setor de turismo ecológico há cada vez mais pessoas iniciando em atividades ao ar livre, buscando por uma melhor qualidade de vida e bem-estar, o que aumenta a responsabilidade das empresas que estão no mercado, por conta do tipo de introdução que a empresa faz deste novo aventureiro ao ambiente natural.

Entendemos que esta introdução não é simplesmente levar o turista para fazer uma trilha pela primeira vez na vida, é preciso informar antes e conscientizar durante a atividade, para que depois da mesma se reflita em uma nova educação, de respeito para com o ambiente natural, todos os seres vivos encontrados pelo caminho e à sua própria vida.

A preparação antes para uma atividade ao ar livre é o primeiro passo para que no dia tudo ocorra bem e satisfaça suas expectativas.

Estar preparado é saber o que vai ou pode encontrar pelo caminho na aventura, mas também estar vestido de forma adequada e carregando equipamentos e alimentação adequados para sua segurança, conforto, saúde e para o mínimo impacto.

A Pegada Ecoturismo, por exemplo, envia antes de cada roteiro todas as informações necessárias para preparar o “ecoaventureiro”, seja ele experiente ou iniciante, preparamos também um e-book: Guia básico para trilheiros iniciantes com intenção de preparar, informar e conscientizar a respeito de atividades ao ar livre, entre outras informações, além do trabalho de conscientização realizado durante a atividade, através de seus condutores e guias locais.

Seguro e Segurança no Ecoturismo

O número de pessoas procurando e adquirindo pacotes de roteiros de ecoturismo tem aumentado consideravelmente, taxa muito maior do que o turismo convencional.

Essa demanda de pessoas interessadas no ecoturismo criou um novo nicho de mercado, as agências de ecoturismo, ou como algumas dizem, agências especializadas em “trips”, grupos, seja bate-volta ou com pernoite.

Essas agências ou grupos geralmente surgem nas próprias redes sociais, algumas poucas delas têm site, menos ainda são as possuem os marcos legais, como empresa aberta e cadastro no Ministério do Turismo, o famoso CADASTUR.

Neste contexto, chegamos a questão MAIS IMPORTANTE de tudo isso, a SEGURANÇA, que não pode ter este mesmo caráter informal, pelo menos deveria ser tratada com seriedade, mas não é bem o que se vê por aí.

Assim como na vida, onde dizem que são nos momentos difíceis que conhecemos os verdadeiros e bons amigos, em termos de prestação de serviços em viagens é a mesma coisa. Mas sugiro, não espere um momento difícil para saber o nível da empresa que você está contratando.

Por isso, antes de se aventurar por aí, é preciso saber quem de fato você está seguindo e como esta pessoa/agência está preparada para prevenção de acidentes ou caso “algo der errado”

  • Esta empresa está legalmente estabelecida?
  • Esta empresa utiliza alguma forma de monitoramento dos seus grupos?
  • Os guias/condutores/monitores possuem treinamento específico para atividade?
  • Os guias/condutores/monitores carregam kit de primeiros socorros?
  • A empresa possui um protocolo para caso “algo dê errado”?
  • A empresa possui algum seguro para caso “algo dê errado”?
  • Se possui seguro, este seguro cobre de fato a atividade que estará sendo executada?
  • Este seguro cobre somente morte ou também despesas médicas e odontológicas?

Estas perguntas são importantes a serem feitas antes de se aventurar por aí com qualquer empresa, pois o barato pode sair caro, e as consequências podem ser bem ruins.

Cabe a consciência de cada um sobre a quem vai confiar sua vida ao sair por aí se aventurando.

A Pegada Ecoturismo tem o compromisso de além de proporcionar a melhor experiência a seus clientes e ser uma empresa devidamente apta a atuar no mercado, trabalhar com protocolos e mecanismos de segurança que levem o turista de fato à uma AVENTURA SEGURA.

O Passaporte Estrada Real é uma iniciativa do Instituto Estrada Real. Um documento no qual o viajante vai registrar sua passagem pelos Caminhos da Estrada Real, por meio de carimbos iconográficos, nos pontos credenciados. E, completando qualquer dos percursos, terá direito a um Certificado que atestará a sua passagem pelo caminho escolhido.

O certificado é dado ao viajante que conseguir passar pelo menos em:

  • Caminho dos Diamantes: 10 carimbos
  • Caminho Novo: 8 carimbos
  • Caminho Velho: 14 carimbos
  • Caminho do Sabarabuçu: 04 carimbos

Confira (aqui) todos os detalhes e regras sobre o Passaporte Estrada Real.

O passaporte é gratuito, mas é necessário levar 1 Kg de alimento não perecível ou uma peça de roupa para ser doada a uma instituição de caridade.

O passaporte da Estrada Real é individual e se estiver viajando em grupo, cada um deve solicitar o seu passaporte.

Com um único passaporte é possível percorrer os Caminhos Velho, Novo, dos Diamantes e Sabarabuçu.

Como posso solicitar o meu Passaporte?

O passaporte da Estrada Real pode ser solicitado pelo site do Instituto Estrada Real, clique (aqui) para acessar a página e preencher o formulário. Após o preenchimento do formulário, você tem até 60 dias para retirá-lo em um dos pontos de distribuição.

Aonde devo retirar o meu Passaporte e Certificado?

O passaporte e o certificado podem ser retirados nas seguintes cidades: Ouro Preto, Paraty, Petrópolis, Tiradentes, Cocais, Diamantina. Um detalhe importante é que o certificado não pode ser retirando em Tiradentes, em Tiradentes você tem a opção de retirar apenas o Passaporte.

Onde posso carimbar o Passaporte Estrada Real

Os carimbos são a prova de que você passou por determinada cidade. Durante o percurso, você encontrará diversos Pontos de Carimbo espalhados por algumas cidades que fazem parte do Caminho, normalmente os postos são nos Centros de Informação Turística mas também podem estar em hotéis ou restaurantes. Mas lembre, que para completar o passaporte, só será aceito um carimbo por cidade. Portanto, conheça bem cada cidade, explore os Pontos de Carimbo e escolha o seu preferido para registrar sua aventura.

Um pouco sobre a Estrada Real

A Estrada Real é considerada a maior rota turística do país, com mais de 1.630 km de extensão, passando por Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.

Surgiu em meados do séculos 17, quando a Coroa Portuguesa oficializou os caminhos para transitar com ouro e diamante de Minas até os portos no Rio de Janeiro. E por serem trilhas delegadas pela realeza, ganhou o nome de Estrada Real.

A Estrada Real busca a valorização da identidade e belezas da região, além de resgatar suas tradições.

Quais os Caminhos percorridos na Estrada Real?

Caminho dos Diamantes: Conexão entre Ouro Preto e Diamantina passando pelas cidades: Diamantina, Serro, Mariana e Ouro Preto.

Caminho Novo: Alternativa para o Caminho Velho, mais curto e de fácil acesso. Cidades: Lavras Novas, Juiz de Fora, Paraíba do Sul, Petrópolis.

Caminho Velho: Liga o interior de Minas ao litoral do Rio. O caminho velho possui mais de 585 km de estrada de terra. Uma ótima opção para quem gosta de aventura! Cidades: Tiradentes, São João Del Rey, Caxambu, Paraty.

Caminho do Sabarabuçu: Rota alternativa para alcançar o topo da Serra da Piedade com 77,5% de estrada de terra e 22,5% de trilha. Cidades: Cocais – Distrito de Barão de Cocais, Caeté, Sabará e Glaura – conhecida como Casa Branca.

Quer saber mais detalhes sobre o Passaporte, os Caminhos e roteiros da Estrada Real?

Visite o (site) Instituto Estrada Real e saiba mais.