O Brasil é um país conhecido pelas suas belezas naturais, os rios e cachoeiras são uma atração à parte, mas o aumento do fluxo de pessoas por estes circuitos turísticos também acende um alerta para o risco de acidentes. Para aproveitar ao máximo o passeio, a Pegada Ecoturismo dá dicas que podem ajudar a fugir do perigo.

1 – Chinelos de dedo

É como dizem: “Quem nunca entrou com o chinelo de dedo dentro de uma cachoeira, e a correnteza levou um dos seus chinelos, não sabe o que é ficar chateado. ”
A questão é que entrar ou andar próximo à cachoeiras com os chinelos de dedo vai além de simplesmente perder o chinelo, eles escorregam nas pedras pois não dão firmeza nenhuma aos pés, assim como na pedra e podem aprontar um tombo de uma hora para outra sem contar que agarram na lama, o que pode facilitar uma queda. Prefira uma sapatilha emborrachada (para rios e cachoeiras) que são calçados com solado próprio para água ou calçados que firmem bem nos seus pés e oferecem atrito.

2 – Brincadeiras na Cachoeira

Não participe ou promova brincadeiras de empurrar ou dar tombo em colegas, com esse tipo de brincadeira você corre o risco real de colocar a sua vida e a vida de alguém em risco. Em uma dessas brincadeiras o colega pode cair de mau jeito e é problema na certa. Faça brincadeiras saudáveis e divirta-se com responsabilidade, sempre respeitando o outro.

3 – Consumo de bebidas alcoólicas ou entorpecentes

Quando estamos nas cachoeiras e até mesmo em uma trilha você precisa estar no melhor do seu juízo para tomar decisões acertadas, medir seus passos com precisão e controlar bem seu corpo. O álcool compromete a razão é a percepção de perigo. Faz-se coisas das quais não é possível lembrar depois. E várias delas causam constrangimento, vergonha ou, o que é pior, podem ser fatais. Portando bebidas só depois do passeio!

4 – Cachoeira em dias de chuva

As águas podem vir mais fortes em dias chuvosos e deixar as cascatas mais pesadas e as pedras mais lisas do que o habitual, sem contar que a visibilidade da água diminui e existe risco de troncos e pedras soltas no fundo e cipó. Cuidado com a famosa “cabeça d’água”, conhecida popularmente como tromba d’água, mesmo com dia lindo elas podem chegar ao local onde você está, vindas de outras regiões onde caiu chuva pesada. Evite cachoeiras em dias de chuva.
Escrevemos um artigo completo sobre o assunto, não deixe de conferir no link: Em época de chuvas, trilhas e cachoeiras são mais perigosas.

5 – Sinalização do local

Locais mais perigosos costumam ter sinais de alerta. Para ter um passeio com segurança é importante que todos respeitem a sinalização e evitem o banho nestes lugares, elas não estão lá por acaso. Fique atento!

6 – Mergulho

Na hora do mergulho, é importante ir com cautela e observar a profundidade desses ambientes naturais. Cachoeiras costumam ter obstáculos mais discretos e que muitas vezes não são vistos. Mesmo que conheça o local há anos, as águas se movimentam com frequência, trocando pedras de lugar, abrindo buracos em pontos que não existiam, além de trazer outros entulhos desconhecidos para a água, causando não só afogamentos, como acidentes graves. Entre na água com cautela.

7 – Crianças na Cachoeira

Se vai com a família, deixe as crianças na supervisão de um adulto. Elas são aventureiras, curiosas e gostam de explorar o novo, sem entender o real perigo que esses ambientes representam. Não tire os olhos delas.

8 – Obstáculos naturais

Nas áreas mais difíceis de atravessar, não arrisque pulos e se possível, caminhe usando as mãos também. São diversos obstáculos que podem causar tropeços e tombos e nos piores casos, machucados. Rochas e raízes são arrastadas pelas correntes e ficam no fundo do rio, podendo atrapalhar o trajeto dos mais desatentos. A dica é antes de dar um passo, teste se está seguro antes de colocar seu peso todo sobre o apoio, seja uma pedra, um tronco ou um galho.

9 – Temperatura da água

Quando ela for gelada demais, opte por entrar aos poucos, pois a diferença de temperatura entre a água e o seu corpo pode provocar câimbras em seus músculos. Se o local em que o banhista estiver for profundo, isso pode aumentar o risco de afogamento.

10 – Guia e informações sobre a região

A visita à uma cachoeira deve ser precedida por uma profunda pesquisa sobre a região. É ela que vai permitir que você avalie se o local é adequado para passeio e fique atento aos perigos encontrados lá e ao longo do caminho.
Uma dica importante para esse momento é ir sempre acompanhado de alguém que conheça o caminho, um guia ou em segundo caso conversar com outras pessoas que já estiveram na cachoeira, para saber que tipo de experiência elas tiveram no lugar e, assim, poder se preparar melhor.

Cuide de sua segurança, respeite as pessoas, preserve a natureza acima de tudo. Leve sacolas plásticas para colocar o lixo e retorne com elas, não suje o local e respeite o meio ambiente, afinal, é essencial.

Gostou das nossas dicas para aproveitar o passeio na cachoeira? Então não deixe de compartilhar com seus amigos, informação é fundamental.

A Pegada Ecoturismo criou o Guia básico para trilheiros iniciantes, nele vamos conversar sobre o que é uma trilha, as principais modalidades, como você pode começar a trilhar gradualmente, dicas de vestimentas, alimentação e até de comportamento durante a aventura aqui falamos também sobre como você pode iniciar nas viagens sozinho.

Você vai descobrir que apesar de parecer fácil (simplesmente sair andando) observam-se algumas medidas para tornar o passeio realmente prazeroso e evitar acidentes e desconfortos desnecessários.

Por isso, é muito importante que você consuma o conteúdo deste ebook na ordem em que ele está sendo apresentado a você.

Acredite, nós investimos pesado no planejamento da organização perfeita desse mundo de informações para que você consiga consumir, aprender e aplicar da maneira mais eficiente possível.

Nós verdadeiramente acreditamos que o conhecimento que tem dentro deste eBook pode transformar à sua maneira de iniciar e fazer trilhas.

Você conhece os benefícios da caminhada para o corpo e a mente?

Saiba que essa atividade física reúne um grande número de vantagens para quem já gosta de se exercitar e também para quem deseja praticar e iniciar alguma atividade física e não sabe por onde começar.

Todos nós aprendemos muito cedo a caminhar, é um movimento natural, e por isso mesmo, somos biomecanicamente mais eficientes durante uma caminhada quando comparamos com os movimentos executados em outras modalidades esportivas como o remo, a natação, o ciclismo entre outros.

E independentemente da idade ou condicionamento físico, caminhar é um exercício leve, fácil de executar, de baixo custo, que ajuda a emagrecer, tonificar os músculos e ainda reduz o risco de doenças. Caminhar também é uma atividade aeróbica bastante segura do ponto de vista cardiovascular e ortopédico.

Entre os benefícios da caminhada para o corpo e a mente já citados, ainda podemos destacar:

  • Combate ao colesterol ruim.
  • Estimula a circulação sanguínea.
  • Melhora a capacidade cardiorrespiratória e também a densidade óssea.
  • Favorece um bom controle do diabetes e da hipertensão arterial.
  • Ameniza problemas de desequilíbrios posturais e articulares.
  • Proporciona um bom alto astral.
  • Promove o bem estar levando o estresse e o mau humor para bem longe.
  • Combate a insônia, a ansiedade e também a depressão.
  • Promove uma excelente oportunidade de socialização.

Ok, agora você descobriu os benefícios da caminhada, mas e a caminhada ao ar livre? Quais são seus benefícios?

Caminhar ao ar livre é divertido e saudável, não só para o seu corpo, mas também para o cérebro e a mente. Qualquer pessoa que tenha feito isso pode garantir. Mas, além do testemunho pessoal que qualquer um possa dar, está cientificamente provado que passar um tempo ao ar livre proporciona muitos benefícios mentais.

Caminhar ao ar livre nos ajuda a lutar contra a negatividade, a aliviar o estresse e até mesmo a combater a depressão. A sensação de liberação física que você sente quando sai lhe ajuda a sentir também liberação mental e a ser mais otimista. Mas isso não é tudo.

Caminhar ao ar livre pode melhorar o seu foco e aumentar a sua criatividade.

De acordo com um estudo publicado na revista Psychological Science, interagir com a natureza dá um descanso ao cérebro da super estimulação a que ele é submetido todos os dias, o que pode ter um efeito reparador nos níveis de atenção.

As tarefas da vida moderna exigem demais das áreas do cérebro que estão ligadas à repressão das distrações, ao pensamento criativo e ao desenvolvimento de um senso de identidade. Neste sentido, um grupo de pesquisadores da Universidade de Utah, Estados Unidos, descobriu que passar uns dias na natureza melhorava a criatividade das pessoas em 50%.

Caminhar ao ar livre ajuda a aliviar a depressão

De acordo com um estudo realizado pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, caminhar ao ar livre está relacionado com uma melhor saúde mental e maior positividade. Além disso, estar ao ar livre melhora os níveis de depressão e de estresse.

Já um estudo realizado pela Universidade de Glasgow, na Escócia, descobriu que as pessoas que caminhavam ao ar livre, andavam de bicicleta ou saíam para correr na natureza tinham um menor risco de deterioração da saúde mental do que as pessoas que praticavam esportes em lugares fechados.

A natureza nos recupera e fortalece o sistema imunológico

Segundo uma pesquisa realizada na Universidade Tecnológica de Chalmers, na Suécia, a natureza tem um impacto positivo na convalescença. A pesquisa constatou que até mesmo o mero ato de observar as árvores através de uma janela de hospital melhora as taxas de recuperação.

Por outro lado, um grupo de pesquisadores na Nippon Medical School de Tóquio descobriu que as mulheres que passaram seis horas em um bosque ao longo de dois dias tiveram um aumento dos glóbulos brancos que combatem vírus e tumores, e que o impulso durou por, pelo menos, sete dias.

A água faz bem para o corpo e para a alma

Uma pesquisa realizada pela Universidade da Escola de Medicina de Exeter, na Inglaterra, sobre as qualidades essenciais da água e o seu papel no nosso bem-estar psicológico descobriu que os íons negativos da água são antidepressivos naturais. Esses íons negativos são encontrados em grandes números até em um balde de água.

Portanto, caminhar perto de cachoeiras, lagos, rios e riachos, incluindo açudes e fontes, é muito benéfico para a saúde emocional. Se você também puder dar um mergulho, os benefícios se multiplicam, já que os vasos sanguíneos se dilatam pela água fria, o que estimula o corpo a expulsar as toxinas e a liberar endorfinas para se sentir bem.

A natureza nos acalma

Estar entre as árvores tem um impacto positivo no nosso organismo. Foi demonstrado que isso reduz os níveis de estresse e a pressão sanguínea. Uma pesquisa realizada no Japão, um país de longas jornadas de trabalho e de altas taxas de suicídio, revela que mergulhar no mundo natural reduz significativamente os níveis de estresse e protege contra a depressão.

Além disso, os sons da natureza têm um grande impacto positivo na nossa saúde e no nosso bem-estar. Diversos estudos revelam que os sons naturais e o silêncio da natureza têm muitos benefícios para a saúde física e mental, principalmente para a gestão do estresse.

Os aromas da natureza também desempenham um papel importante no impacto que ela tem sobre a nossa saúde e meio ambiente natural. O nosso sentido do olfato está intimamente ligado às partes do cérebro responsáveis pelo processamento da emoção.

Assim, os aromas têm um impacto imediato e profundo. As árvores e as plantas emitem fitocidas, um composto orgânico que desacelera a respiração e reduz a ansiedade.

Caminhar ao ar livre é uma das melhores coisas que você pode fazer pela sua saúde física e mental, pense nisso!