A letra da música já diz tudo: “Quem te conhece, não esquece jamais”.

Falamos tanto de viajar para outros países, não é mesmo? Às vezes esquecemos de como o Brasil tem lugares bonitos! Pois é, em todas as regiões do Brasil, temos paisagens fantásticas, e nem sempre valorizamos o potencial do turismo nacional. E quando falamos em Ecoturismo então, as opções são gigantescas!

O estado de Minas tem uma infinidade de destinos turísticos, concentra incontáveis atrativos naturais e históricos capazes de deixar qualquer viajante apaixonado.

Seja pela farta gastronomia, pelas paisagens marcantes ou pelo carinho do povo, Minas Gerais também é uma potência quando o assunto é ecoturismo e turismo de aventura. Com uma enorme extensão territorial, opções não faltam para quem quer distância dos grandes centros urbanos.

O ecoturismo é uma categoria turística com cada vez mais adeptos. É o turismo que desfruta, de maneira sustentável, das belezas naturais e culturais. Além disso ajuda a criar maior consciência ambiental, diminuindo as distâncias entre pessoas – cada vez mais urbanizadas – e as paisagens naturais.

Permita-se viver o novo!

As atividades de aventura são uma ótima maneira de conhecer melhor a si mesmo, descobrir e superar seus limites, enquanto sai da rotina e pratica esportes em contato com a natureza.

Permita-se viver o novo, o inédito, o desconhecido, o algo a mais. Na maioria das vezes, é uma ótima chance de desbravar mundos desconhecidos e obter novas e arrebatadoras experiências.

E não pense que para desbravar o novo você precisa ser um aventureiro por natureza. Na verdade, basta um pouco de coragem e determinação para conhecer novos pontos de vista de sua própria vida.

E para viver o novo não é preciso mudar de cidade, de emprego, de amigos ou de vida. Basta adotar um novo olhar em sua própria existência, uma nova ótica pairando sobre si, suas conquistas e limitações.

Sendo assim, comece por ver novas possibilidades em sua vida. Esteja aberto a vivê-las e disposto a correr os ricos que isso impõe. Em seguida, permita-se viver o inesperado e aproveitar todas as oportunidades que a vida lhe dá, pois ela é única e muito curta para ter medo de vivê-la.

Pouco mais de três anos depois do desastre de Mariana, do qual Minas Gerais ainda luta para se recuperar, mais um rompimento de barragem da mineradora Vale assombra o país.

A Pegada Ecoturismo se solidariza com a população de Brumadinho e os familiares das vítimas. A dor do nosso semelhante também nos dói. Sentimos a angústia, o medo, a revolta, a indignação e a dor da perda de todos que perderam seus entes queridos ou que ainda não sabem o que ocorreu com eles.

Impactos ambientais

O impacto ambiental causado pela enxurrada de lama após o rompimento da barragem da Vale na Mina do Córrego do Feijão, “será sentido por anos”, advertiu a ONG World Wildlife Foundation (WWF).

“Aproximadamente 125 hectares de florestas foram perdidos, o equivalente a mais de um milhão de metros quadrados, ou 125 campos de futebol”, indica o relatório divulgado quatro dias depois de que uma enxurrada de lama e rejeitos atingiu instalações da Vale, casas e veículos em Brumadinho, deixando até agora 84 mortes confirmadas, 42 corpos identificados e 276 desaparecidos, segundo o último boletim do Corpo de Bombeiros.

Em virtude da grande quantidade de rejeitos e da velocidade em que foram liberados, a lama destruiu grande parte da vegetação local e causou a morte de diversas espécies de animais. É importante salientar que a região abrigava uma grande área remanescente da Mata Atlântica, um bioma com grande biodiversidade. Houve, portanto, uma enorme perda.

Os rejeitos da mineração atingiram ainda o rio Paraopeba, que é um dos afluentes do Rio São Francisco. A grande quantidade de lama torna a água imprópria para o consumo, além de reduzir a quantidade de oxigênio disponível, o que desencadeia grande mortandade de animais e plantas aquáticas. Em relação ao Rio São Francisco, a expectativa é de que a lama seja diluída antes de atingi-lo.

Devido à grande quantidade de lama que foi depositada na região, o solo terá sua composição alterada, o que pode prejudicar o desenvolvimento de algumas espécies vegetais. Além dessa alteração, quando a lama seca forma uma camada dura e compacta que também afeta a fertilidade do solo.

Desde que começou o vazamento, a Vale advertiu que a tragédia teria um maior custo humanitário que ambiental em comparação com o provocado pelo rompimento da barragem de Fundão, no município de Mariana, em novembro de 2015, que deixou 19 mortos e chegou ao mar, a 660 km de distância, pelo leito do Rio Doce.

A WWF considera que ainda é cedo para fazer tais afirmações, dado que não se sabe quando os sedimentos mais finos se dissolverão.

Paula Hanna Valdujo, especialista em conservação da ONG, opina que “serão necessários estudos mais detalhados para entender a intensidade deste impacto e até onde se estende”.

Como o ecoturismo contribui com a preservação da natureza

O ecoturismo tem potencial de crescimento de 20% ao ano no mundo segundo a OMT(Organização Mundial de Turismo) e, se feito com consciência e responsabilidade, contribui muito para a preservação dos recursos naturais.

Em tempos de enormes tragédias ambientais como a de Mariana e Brumadinho, desmatamento, ataques à camada de ozônio e exploração de recursos naturais, dentro de uma sociedade com um sistema econômico que visa o lucro acima de qualquer outra coisa, não é novidade que a natureza tenha sofrido as consequências das mais variadas formas de exploração do meio ambiente.

Nesse cenário de destruição da natureza, o ecoturismo é o setor econômico que cada dia mais depende dos valores morais e éticos para sobreviver. A preocupação com respeito ao meio ambiente e a segurança dos turistas é fundamental para o fortalecimento da atividade.

Mais do que oferecer um contato próximo com o meio-ambiente e criar a possibilidade de se conhecer locais de preservação ambiental, o ecoturismo ajuda a preservar a natureza do local através dos recursos captados com o próprio turismo. Além disso, o ecoturismo acaba gerando melhorias para a comunidade do local já que atrai turistas, o que incentiva a economia do local e o mais importante de tudo, conscientiza sobre a importância da preservação da natureza.

A vantagem do ecoturismo é que a “exploração” do local ocorre de forma harmônica, respeitando a natureza e as formas de vida do lugar e conscientizando os turistas da importância de se conviver com a natureza de forma respeitosa, sem retirar recursos desnecessários, poluir ou estragar o local. É um modo de desenvolvimento sustentável que busca aumentar o contato do turista com a natureza e ao mesmo tempo conscientizar da importância de preservar aquele local para que ele continue existindo.

O meio ambiente depende de nós e o ecoturismo precisa escrever uma história coerente, na qual a cultura local deve ser valorizada e respeitada. É preciso disseminar os conceitos de turismo responsável, sustentável, ecológico ou como queira chamar, antes que acabe com este potencial existente e não reste mais nada pelo que lutar e preservar.

O Brasil é um país conhecido pelas suas belezas naturais, os rios e cachoeiras são uma atração à parte, mas o aumento do fluxo de pessoas por estes circuitos turísticos também acende um alerta para o risco de acidentes. Para aproveitar ao máximo o passeio, a Pegada Ecoturismo dá dicas que podem ajudar a fugir do perigo.

1 – Chinelos de dedo

É como dizem: “Quem nunca entrou com o chinelo de dedo dentro de uma cachoeira, e a correnteza levou um dos seus chinelos, não sabe o que é ficar chateado. ”
A questão é que entrar ou andar próximo à cachoeiras com os chinelos de dedo vai além de simplesmente perder o chinelo, eles escorregam nas pedras pois não dão firmeza nenhuma aos pés, assim como na pedra e podem aprontar um tombo de uma hora para outra sem contar que agarram na lama, o que pode facilitar uma queda. Prefira uma sapatilha emborrachada (para rios e cachoeiras) que são calçados com solado próprio para água ou calçados que firmem bem nos seus pés e oferecem atrito.

2 – Brincadeiras na Cachoeira

Não participe ou promova brincadeiras de empurrar ou dar tombo em colegas, com esse tipo de brincadeira você corre o risco real de colocar a sua vida e a vida de alguém em risco. Em uma dessas brincadeiras o colega pode cair de mau jeito e é problema na certa. Faça brincadeiras saudáveis e divirta-se com responsabilidade, sempre respeitando o outro.

3 – Consumo de bebidas alcoólicas ou entorpecentes

Quando estamos nas cachoeiras e até mesmo em uma trilha você precisa estar no melhor do seu juízo para tomar decisões acertadas, medir seus passos com precisão e controlar bem seu corpo. O álcool compromete a razão é a percepção de perigo. Faz-se coisas das quais não é possível lembrar depois. E várias delas causam constrangimento, vergonha ou, o que é pior, podem ser fatais. Portando bebidas só depois do passeio!

4 – Cachoeira em dias de chuva

As águas podem vir mais fortes em dias chuvosos e deixar as cascatas mais pesadas e as pedras mais lisas do que o habitual, sem contar que a visibilidade da água diminui e existe risco de troncos e pedras soltas no fundo e cipó. Cuidado com a famosa “cabeça d’água”, conhecida popularmente como tromba d’água, mesmo com dia lindo elas podem chegar ao local onde você está, vindas de outras regiões onde caiu chuva pesada. Evite cachoeiras em dias de chuva.
Escrevemos um artigo completo sobre o assunto, não deixe de conferir no link: Em época de chuvas, trilhas e cachoeiras são mais perigosas.

5 – Sinalização do local

Locais mais perigosos costumam ter sinais de alerta. Para ter um passeio com segurança é importante que todos respeitem a sinalização e evitem o banho nestes lugares, elas não estão lá por acaso. Fique atento!

6 – Mergulho

Na hora do mergulho, é importante ir com cautela e observar a profundidade desses ambientes naturais. Cachoeiras costumam ter obstáculos mais discretos e que muitas vezes não são vistos. Mesmo que conheça o local há anos, as águas se movimentam com frequência, trocando pedras de lugar, abrindo buracos em pontos que não existiam, além de trazer outros entulhos desconhecidos para a água, causando não só afogamentos, como acidentes graves. Entre na água com cautela.

7 – Crianças na Cachoeira

Se vai com a família, deixe as crianças na supervisão de um adulto. Elas são aventureiras, curiosas e gostam de explorar o novo, sem entender o real perigo que esses ambientes representam. Não tire os olhos delas.

8 – Obstáculos naturais

Nas áreas mais difíceis de atravessar, não arrisque pulos e se possível, caminhe usando as mãos também. São diversos obstáculos que podem causar tropeços e tombos e nos piores casos, machucados. Rochas e raízes são arrastadas pelas correntes e ficam no fundo do rio, podendo atrapalhar o trajeto dos mais desatentos. A dica é antes de dar um passo, teste se está seguro antes de colocar seu peso todo sobre o apoio, seja uma pedra, um tronco ou um galho.

9 – Temperatura da água

Quando ela for gelada demais, opte por entrar aos poucos, pois a diferença de temperatura entre a água e o seu corpo pode provocar câimbras em seus músculos. Se o local em que o banhista estiver for profundo, isso pode aumentar o risco de afogamento.

10 – Guia e informações sobre a região

A visita à uma cachoeira deve ser precedida por uma profunda pesquisa sobre a região. É ela que vai permitir que você avalie se o local é adequado para passeio e fique atento aos perigos encontrados lá e ao longo do caminho.
Uma dica importante para esse momento é ir sempre acompanhado de alguém que conheça o caminho, um guia ou em segundo caso conversar com outras pessoas que já estiveram na cachoeira, para saber que tipo de experiência elas tiveram no lugar e, assim, poder se preparar melhor.

Cuide de sua segurança, respeite as pessoas, preserve a natureza acima de tudo. Leve sacolas plásticas para colocar o lixo e retorne com elas, não suje o local e respeite o meio ambiente, afinal, é essencial.

Gostou das nossas dicas para aproveitar o passeio na cachoeira? Então não deixe de compartilhar com seus amigos, informação é fundamental.